Como falar sobre cérebro com crianças?

Falar sobre o corpo humano não é fácil, pois ele é um universo com palavras específicas e terminologias também muito técnicas. E não seria diferente com o nosso cérebro.

Esse órgão de funcionamento complexo e diverso pode parecer um pouco complicado de se entender, mas introduzir a importância dele na vida das pessoas, desde cedo, é um movimento interessante para despertar mais curiosidade e entendimento sobre a necessidade de cuidar da saúde do cérebro e aproveitar todo o seu potencial.

Por isso, neste post queremos simplificar a explicação sobre como funciona o nosso cérebro e a ligação entre os neurônios.

Neste conteúdo você verá:

  • O que é o cérebro?
  • O que é um neurônio?
  • Qual a estrutura de um neurônio?
  • Ensinando um novo caminho: as sinapses.

O que é o cérebro?

Quando batemos palma precisamos das mãos, ao mastigar e falar, utilizamos a boca, quando andamos, precisamos dos pés… E tudo isso só é possível a partir do bom funcionamento dos órgãos do corpo humano, em especial o cérebro.

E embora todos os órgãos envolvidos na execução desses movimentos sejam muito importantes, há um maestro que comanda toda essa orquestra, o cérebro! Isso mesmo, esse é o principal órgão e centro do sistema nervoso e é responsável por controlar ações motoras, estímulos sensoriais e atividades neurológicas como a fala.

Mito ou verdade?

O cérebro é mesmo dividido em dois lados e cada um deles tem uma função específica?

É um senso comum dizer que o lado esquerdo do nosso cérebro se destina, entre outras coisas, ao pensamento crítico, raciocínio lógico, habilidades com número e escrita; e o lado direito opera na manutenção da consciência artística, imaginação, consciência musical e criatividade. Mas é importante frisar que não existe essa divisão anatômica.

O cérebro tem dois lados, que chamamos de hemisférios, e ambos estão intimamente unidos. Anatomicamente existem diferenças em áreas de neurônios especializados entre os dois hemisférios – mas essas áreas não trabalham sozinhas.

Por mais que tenham núcleos de neurônios com especialidades diferentes em cada lado, os dois lados precisam trabalhar integrados tanto para produzir o raciocínio lógico quanto a criatividade e imaginação.

O perigo dessa frase é sugerir que as pessoas usariam um hemisfério mais do que o outro, como se fossem separados, e não é assim. Os dois hemisférios se comunicam e trabalham juntos por meio de uma rede complexa de cabos fibrosos, conhecida como o corpo caloso.

Vamos entender um pouquinho mais sobre ele?

Conforme te disse, o cérebro humano é o maestro que comanda o funcionamento da grande e complexa orquestra que é o nosso corpo. Mas dentro do cérebro há um outro conjunto de músicos que denominamos neurônios.

Em nosso cérebro existem aproximadamente 86 bilhões de neurônios, eles estabelecem relação entre si e fazem um verdadeiro telefone sem fio para tornar possível a realização de movimentos, a capacidade de raciocínio e pensamento. Essas informações são transmitidas por meio dos impulsos nervosos.

Mas antes de entender como isso funciona, vamos ver como é a estrutura de um neurônio e o que eles podem fazer!

Os neurônios são divididos em 3 partes principais, são eles o corpo celular, dendritos e axônio.

Embora essas palavras possam parecer estranhas e difíceis de se compreender, elas denotam processos muito simples, olha só:

Os dendritos, essa região com “raízes” mais prolongadas, recebem os impulsos nervosos vindos de outros neurônios, levando-os até o corpo celular, este círculo localizado no centro da imagem e que contém o núcleo do neurônio.

E os axônios, por sua vez, compreendem a região que vai desde as ‘plaquinhas’ azuis até a ‘calda’ do neurônio. Essa região garante a condução desses impulsos.

E esses impulsos nervosos vão pra onde?

Você sabia que os neurônios precisam de ajuda dos demais para que nós sejamos capazes de desempenhar diversas funções? Somente um neurônio não nos permite realizar movimentos e todas as outras coisas como ler e raciocinar. Mas como será que eles fazem isso?

O telefone sem fio dos neurônios

Da mesma forma que alguns conversam quando precisam de ajuda, assim também fazem os neurônios. E, claro, essas conexões feitas entre os neurônios também têm um nome: sinapses.

As sinapses, conforme a imagem abaixo, são o ponto de contato entre os neurônios e um processo necessário para qualquer atividade ou movimento que se realize, seja andar, comer ou pensar.

cérebro

Essa imagem ilustra melhor a rede de neurônios que se conectam.

Durante a sinapse são liberados neurotransmissores de um neurônio para o outro até que todo o circuito esteja completo e a ação seja realizada.

Quando realizamos uma atividade com frequência, o cérebro ‘decora’ e se acostuma com o caminho dessa ligação, realizando determinada ação com muito mais rapidez.

Ensinar “novos caminhos” ao cérebro é muito importante para garantir sua saúde e combater doenças como o Parkinson e Alzheimer.

Ensinando um novo caminho: as sinapses

Pense bem: se nos acostumamos com tarefas rotineiras, realizando-as com rapidez, não seria interessante nos desafiar e aprender algo novo? É exatamente dessa forma que podemos contribuir para a saúde do nosso cérebro, aprendendo algo novo sempre!

Sabe aquela história de que quanto mais fazemos algo, melhor ficamos? Pois então… Isso é verdade!

Praticar atividades diferentes, exigindo mais da nossa capacidade cerebral, de forma consistente, ajuda a melhorar a conexão entre os neurônios e, assim, torná-las cada vez mais fortes!

E isso traz diversos benefícios ao nosso processo de desenvolvimento cognitivo e contribui para a neuroplasticidade cerebral, que em outras palavras é a capacidade que temos de aprender coisas novas.

Publicado em 20.08.2021 Por VMcom Fonte Método Supera

Acompanhe nossas redes sociais: Instagram | Facebook  |Linkedin  | Twitter  | YouTube

Quer receber Dicas e Desafios pelo Whatsapp é gratuito. Acesse https://bit.ly/36Ii61R

DESPERTE SEU CÉREBRO, SEJA SUPERA! 

O SUPERA é mais concentração, raciocínio, memória, criatividade, autoestima e uma mente saudável.